porsinal  
AutoresListagemEspecialistas
Cristina Gil
Cristina Gil
Investigadora/Docente no Ensino Superior
Biografia do Autor
Cristina Gil
Cristina Gil
Investigadora/Docente no Ensino Superior

Cristina Gil é Professora Adjunta Convidada na Escola Superior de Educação – Instituto Politécnico de Setúbal (ESE-IPS) no curso de Tradução e Interpretação de Língua Gestual Portuguesa e membro do Centro de Estudos de Comunicação e Cultura.

Em 2020, concluiu o doutoramento em Estudos de Cultura na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa (Lisbon Consortium/FCT PD/BD/128194/2016) com a sua investigação transdisciplinar em Estudos de Cultura, Estudos Surdos e Estudos de Utopia que cunhou o neologismo "Deaftopia" e analisa as representações e discursos utópicos presentes na Cultura Surda. Possui um Diploma de Estudos Avançados em Línguas, Literaturas e Culturas com especialização em Estudos Culturais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (2014) e um Mestrado em Comunidade Surda, Educação e Línguas Gestuais da Universidade de Barcelona (2010). A sua licenciatura foi em Tradução e Interpretação de Língua Gestual Portuguesa (ESE-IPS, 2007), e exerceu a profissão de intérprete de LGP durante 13 anos em diversos contextos nacionais e internacionais.

Os seus interesses gravitam em torno de questões de Estudos de Cultura Surda, Estudos Surdos, História Surda, e Línguas Gestuais.

×
Estatsticas de Publicao do Autor
Cristina Gil
Cristina Gil
Investigadora/Docente no Ensino Superior
3 Artigos Cientficos publicados
×

Artigos Científicos de Cristina Gil

Como autor(a) principal

  • 2019 • In Lnguas de Sinais: Cultura Educao Identidade, organizador por Isabel Sofia Calvrio Correia, Pedro Balaus Custdio & Ronaldo Manasss Rodrigues Campos, p. 75-92. Lisboa: Ex-Libris.
    O Mythomoteur Surdo
    Resumo do Artigo Científico

    In Lnguas de Sinais: Cultura Educao Identidade, organizador por Isabel Sofia Calvrio Correia, Pedro Balaus Custdio & Ronaldo Manasss Rodrigues Campos, p. 75-92. Lisboa: Ex-Libris.  •  por Cristina Gil
    O Mythomoteur Surdo

    A origem gestual da linguagem humana levanta diversas questões, tais como considerar-se que as línguas gestuais não são exclusivas das comunidades Surdas 3. A existência de aldeias onde a maioria dos habitantes é ouvinte e em que o idioma mais usado é uma língua gestual (Kusters, 2010) faz-nos questionar até que ponto as línguas gestuais são exclusivas das pessoas Surdas ou das designadas comunidades Surdas. Pelo o que sabemos até ao momento, a Cultura Surda emerge das comunidades Surdas o que cria uma base que influencia a estrutura da identidade Surda no caso das pessoas Surdas utilizadoras de uma língua gestual. Holcomb define sete tipos de identidades Surdas e nem todas assentam em línguas gestuais e cultura Surda. Alguns indivíduos surdos escolhem viver as suas vidas à parte de outros Surdos, de línguas gestuais e Cultura Surda e outros são involuntariamente condenados ao isolamento devido a diversos factores ou são cativos, no sentido em que são proibidos de contactar com outros Surdos (Holcomb, 2012). Este artigo centra-se nas pessoas Surdas utilizadoras de uma língua gestual, que produzem, consumem e têm a consciência da Cultura Surda e que pertencem a uma comunidade Surda. Estes indivíduos Surdos no processo construtivo da sua identidade Surda são aqueles que inspiraram e foram inspirados pela tétrade Mythomoteur: Deaf World, Deaf Way, Deafhood e Deaf Gain 4 (Armstrong, 1982; Bauman & Murray, 2014; Erting, Johnson, Smith, & Snider, 1994; Ladd, 2003)

    Todavia, as línguas gestuais não são exclusivas de pessoas com perda auditiva. Estes idiomas também são utilizados como línguas por ouvintes como veículo de expressão e comunicação, o que nos conduz a ponderar sobre o verdadeiro papel central da Cultura Surda. Este ponto de vista crítico leva-nos mais além, permitindo-nos questionar a sustentabilidade do binário mundo Surdo/Ouvinte, convidando-nos a um olhar mais aprofundado em torno da expansão de conceitos como Deafhood e Deaf Gain. Os ouvintes que gestuam referem muitas vezes as vantagens de ser um gestuante uma vez que acedem à riqueza da Cultura Surda em primeira mão. Os Surdos, por sua vez, buscam incessantemente um equilíbrio entre uma existência Surda plenamente bilingue, bimodal e bicultural. Esta demanda permanente pode transformar-se numa frustrante experiência de vida. Contudo, Deaf World, o Deaf Way, o Deafhood e o Deaf Gain são, inquestionavelmente, conceitos de empoderamento, tecendo laços supranacionais e inspirando uma concepção partilhada de interações dentro das comunidades Surdas. Assim, é importante pensar-se como estes conceitos podem interagir com Surdos e ouvintes e que impacto têm nas suas vidas. Este artigo pretende incidir sobre a tétrade Mythomoteur e como a disseminação destes elementos da Cultura Surda, sobretudo as línguas gestuais, que enriquecem a linguagem humana daqueles que escolhem levantar e mover as suas mãos para além do que aparentemente parece ser determinado pela perda auditiva.

    ×
  • 2019 • Medi@es. Revista Online da Escola Superior de Educao do Instituto Politcnico de Setbal. Vol 7, n. 1, p. 4-17
    Deaf Way nos Estudos Culturais: a bandeira Surda da diversidade
    Resumo do Artigo Científico

    Medi@es. Revista Online da Escola Superior de Educao do Instituto Politcnico de Setbal. Vol 7, n. 1, p. 4-17  •  por Cristina Gil
    Deaf Way nos Estudos Culturais: a bandeira Surda da diversidade

    Este artigo aborda conceitos essenciais em Estudos Surdos ainda pouco disseminados em Portugal. Descreve o discurso dos membros das Comunidades Surdas ocidentais enquanto minorias linguísticas culturais e explicita os conteúdos dessa concepção 1 sobre o indivíduo Surdo. Referimos ainda a questão da Identidade Surda, tais como categorizações e processos apresentados na literatura especializada. Concluímos frisando a importância de se dar atenção aos discursos internos das Comunidades Surdas, e debatendo a perspectivação do traço ser Surdo como uma realidade médica ou étnica.

    ×
  • Resumo do Artigo Científico

    Cadernos de Sade, Vol. 4, N. 1, pp. 43-52  •  por Cristina Gil
    A liderana na Comunidade Surda Portuguesa: Estudo qualitativo sobre quatro lderes Surdos

    Apresentamos um estudo qualitativo antropológico da comunidade Surda 1 portuguesa. O tema incide sobre a liderança Surda. Apuraram-se quatro líderes Surdos e de acordo com uma metodologia etnobiográfica, cruzámos as suas quatro histórias de vida. O objectivo foi obter as características da liderança Surda e delinear o perfil destes quatro líderes.
    Contrastando as afirmações de outros investigadores com os nossos dados, conseguimos comprovar algumas variantes como a presença dinâmica entre o mundo ouvinte e o mundo Surdo que o líder Surdo deve alcançar e manter. São exemplos disso a constante desmistificação de preconceitos na esfera social em relação à pessoa Surda, tal como as acções de contínua sensibilização no mundo ouvinte. A militância pelos direitos de cidadania plena é o que torna estes homens em líderes.

    ×
  • Como co-autor(a)

    Sem artigos científicos inseridos.

    Livros de Cristina Gil

      Sem livros editados ou inseridos.
    Outros Especialistas
  • Eudenia Magalhães Barros
    Eudenia Magalhes Barros
    3 artigos científicos
  • Liziany Muller Medeiros
    Liziany Muller Medeiros
    1 artigos científicos
  • Vânia de Aquino Albres Santiago
    Vnia de Aquino Albres Santiago
    6 artigos científicos
  • Grauben José Alves de Assis
    Grauben Jos Alves de Assis
    1 artigos científicos
  • Renato Dente Luz
    Renato Dente Luz
    7 artigos científicos
  • Maria Janete Bastos
    Maria Janete Bastos
    3 artigos científicos
  • Wagner Teobaldo
    Wagner Teobaldo
    1 artigos científicos
  • Maria Cristina Pires Pereira
    Maria Cristina Pires Pereira
    17 artigos científicos
  • Flávia Roldan Viana
    Flvia Roldan Viana
    4 artigos científicos
  • Juliana Guimarães Faria
    Juliana Guimares Faria
    1 artigos científicos
  •