porsinal  
ArtigosCategoriasArtigos Científicos
Ronice Mller de Quadros
Ronice Mller de Quadros
Professora e Investigadora
As categorias vazias pronominais: uma anlise alternativa com base na Lngua Brasileira de Sinais e reflexos no processo de aquisio
0
Publicado em 1995
Instituto de Letras e Artes - Curso de Ps-Graduao em Letras
Ronice Mller de Quadros
  Artigo disponvel em verso PDF para utilizadores registados
Resumo

Os objetivos desta pesquisa envolvem dois aspectos: analisar o parmetro pro-drop na Lngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - e refletir sobre a aquisio desse parmetro em crianas surdas filhas de pais surdos adquirindo como primeira lngua a LIBRAS. O enfoque terico baseia-se na Lingstica Gerativista, mais especificadamente, nas Teorias da Regncia e Ligao (Chomsky, 1981) e Princpios e Parmetros (Chomsky & Lasnik,1991). O trabalho desenvolvido apresenta reflexes tericas que envolvem as categorias vazias pronominais e as lnguas de sinais, especialmente a American Sign Language - ASL. A partir dessas reflexes fez-se uma anlise da LIBRAS. Verificou-se que as categorias vazias que aparecem nessa lngua apresentam algumas caractersticas peculiares que no se enquadram nas anlises tradicionais das categorias vazias pronominais chamadas de PRO e pro. Chomsky & Lasnik (1991) apresentaram uma proposta estabelecendo traos para essas duas categorias: PRO [+pronome,+anfora] e pro [+pronome, -anfora]. Entretanto, foi verificado que havia diferenas entre o comportamento de PRO e o das anforas. Assim, considerou-se que a relao de controle era diferente da relao anafrica. Ento, PRO no regido e seu contedo recuperado atravs da Teoria do Controle. Tal teoria determina que PRO seja necessariamente controlado por um NP da orao principal ou que receba a interpretao arbitrria. Rizzi (1986) prope a Teoria do pro, que envolve a legitimao formal dessa categoria atravs de INFL[+AGR] e a sua identificao atravs dos traos-f presentes em [+AGR] ou no V. Esses so os casos encontrados no italiano, lngua na qual o sujeito nulo legitimado por INFL[+AGR] e identificado pelos traos presentes na concordncia rica, e o objeto nulo identificado pelos traos presentes no V. Na ASL h duas propostas de anlise da categoria vazia pro: a de Lillo-Martin (1986) e de Aarons, Bahan, Kegl & Neidle (no prelo A, B), mencionados neste trabalho atravs da abreviatura ABKN. As duas propostas, embora diferentes, verificaram que a ASL uma lngua pro-drop do tipo do italiano. Lillo-Martin, alm de concluir isso apresenta a proposta de que haja duas realizaes de pro na ASL: a do tipo da realizao apresentada no italiano e a do tipo que aparece no chins (omisso do sujeito em oraes topicalizadas). Na LIBRAS foi constatado nesta dissertao que a categoria vazia pronominal em alguns contextos apresenta um comportamento que oscila entre PRO e pro. Esse comportamento tambm verificado no espanhol. Tal constatao apresenta repercusses que conduz a uma proposta terica diferente para a anlise das categorias vazias pronominais. Esta dissertao prope que as categorias vazias pronominais PRO, pro e a categoria que aparece na LIBRAS sejam realizaes ou instanciaes de uma nica categoria mais abstrata e subjacente que est minimamente marcada com o trao [+pronominal] e que apresenta os demais traos-f no especificados. Essa anlise simplifica as anlises dessas categorias vazias pronominais e inclui as realizaes da LIBRAS e do espanhol em determinados contextos lingsticos. Essa proposta parece tambm simplificar o processo de aquisio da linguagem, pois todas as crianas apresentariam esse dispositivo ao nascer e determinariam quais traos seriam fixados de acordo com o contexto lingstico atravs de informao positiva. Quanto fixao do parmetro pro-drop na LIBRAS verificou-se que as propostas de Hyams (1989) so confirmadas. De fato as crianas apresentam sujeitosnulos desde o incio da aquisio. As crianas dispem da categoria mais abstrata e subjacente chamada de PRON envolvendo a realizao pro com o valor (+). O valor (+) do parmetro poder ser mantido ou no, se a lngua for ou no for pro-drop, respectivamente.

Para aceder ao artigo completo, descarregue o PDF.

Comentrios