porsinal  
AutoresListagemEspecialistas
Diléia Aparecida Martins
Diléia Aparecida Martins
Professora de Educação Especial
Biografia do Autor
Diléia Aparecida Martins
Diléia Aparecida Martins
Professora de Educação Especial

Possui graduação em Pedagogia com Formação em Educação Especial pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2003) e mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2009). Atualmente é professor de educação especial da Prefeitura Municipal de Campinas e professor substituto da Universidade Federal de São Carlos. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Especial, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, ensino superior, língua brasileira de sinais, intérprete de libras e tradução/interpretação libras.

×
Estatísticas de Publicação do Autor
Diléia Aparecida Martins
Diléia Aparecida Martins
Professora de Educação Especial
5 Artigos Científicos publicados
×

Artigos Científicos de Diléia Aparecida Martins

Como autor(a) principal

  • Resumo do Artigo Científico

    Pro-Posições, vol.26, n.3, pp.83-101  •  por Diléia Aparecida Martins
    Exame Nacional do Ensino Médio e acesso de Estudantes surdos ao Ensino Superior Brasileiro

    Este trabalho apresenta as primeiras aproximações relativas à pesquisa \"Acessibilidade e Exame Nacional do Ensino Médio: desafios para a escolarização de estudantes surdos\", inserida no programa Observatório em Educação (Obeduc), Projeto Acessibilidade no Ensino Superior. Investiga dados oficiais publicados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (Inep), referentes ao aumento progressivo do número de matrículas de estudantes surdos em Instituições de Ensino Superior (IES). Analisa questões relativas à nota obtida por esses estudantes, ao se submeterem ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), e o uso dessa nota para ingressarem em universidades brasileiras. Os dados analisados, no presente artigo, indicam discrepância de desempenho de estudantes sem deficiência, quando comparados aos estudantes surdos.

    ×
  • 2013 • Libras em Estudo: Política Educacional, FENEIS-SP, p71-96 • 2013
    Educação Infantil e Aquisição da Linguagem: Contrapontos de uma Política Inclusiva e Bilíngue para Surdos
    Resumo do Artigo Científico

    Libras em Estudo: Política Educacional, FENEIS-SP, p71-96 • 2013  •  por Diléia Aparecida Martins
    Educação Infantil e Aquisição da Linguagem: Contrapontos de uma Política Inclusiva e Bilíngue para Surdos

    O presente trabalho tem por objetivo contrapor a política educacional inclusiva e bilíngue para crianças surdas. Problematiza as propostas educacionais na educação básica, mais precisamente, na educação infantil, disponíveis às crianças surdas. Desde a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, a educação infantil é apresentada como um dever do Estado, direito de todo cidadão. Em complemento a esta lei máxima, a Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional publicada em 1996 estabelece diretrizes para o funcionamento da educação infantil como etapa da educação básica responsável por contribuir para o desenvolvimento da criança, com vista a prepará-la para as demais etapas escolares. Todavia, a universalização desta etapa tão importante de desenvolvimento não aconteceu, e muitas crianças surdas são privadas de desenvolver linguagem. A educação de crianças surdas deve se fundamenta em leis e regulamentos comuns a todos, respeitando a singularidade linguística própria daqueles que se apropriam da Língua Brasileira de Sinais – Libras. Para isto, considera-se em concordância a Vygotsky (1983), que a escola deve considerar que o desenvolvimento infantil e suas funções mentais superiores estão diretamente atreladas à interação social. No que tange à dimensão social, a cultura e a interação com pares adquirem um papel fundamental, dada à função social exercida pela escola. Neste sentido, a apropriação da Libras, logo na primeira infância, é a garantia do pleno desenvolvimento da criança surda. Considera-se, porém, que, na atualidade, boa parte das crianças não conta com um ambiente educacional propício ocasionando cada vez mais a exclusão da criança surda do sistema educacional.

    ×
  • 2009 • Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, Programa de Pós-graduação em Educação, Campinas
    Trajetórias de formação e condições de trabalho do intérprete de Libras em Instituições de Educação Superior
    Resumo do Artigo Científico

    Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, Programa de Pós-graduação em Educação, Campinas  •  por Diléia Aparecida Martins
    Trajetórias de formação e condições de trabalho do intérprete de Libras em Instituições de Educação Superior

    A presente dissertação tem como objetivo estudar as trajetórias de formação e as condições de trabalho do intérprete de Libras certificado pelo exame nacional de proficiência para interpretação de Libras, que atua em Instituições de Educação Superior. De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional, Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996, a educação especial caracteriza-se como uma modalidade de ensino disponível desde a Educação Infantil até a Educação Superior. Constitui-se de recursos materiais e humanos utilizados para a garantia de condições de acesso de pessoas com deficiência à escolarização. No que tange à educação do aluno surdo usuário de Língua Brasileira de Sinais (Libras), a presença de profissionais proficientes em Língua Brasileira de Sinais torna-se fundamental em sala de aula e demais espaços educacionais como parte do apoio especializado. Em decorrência dessa realidade, visualiza-se a ascensão do Intérprete de Libras enquanto profissional cuja trajetória de formação é recente, fator fortemente influente em suas condições de trabalho. O referencial teórico que fundamenta este estudo é o histórico crítico, no qual se compreende que a educação e a educação da pessoa surda é um processo histórico e cultural, datado no tempo e lugar social (VIGOTSKI, 1997). De modo particular, a análise referente à trajetória de formação do Intérprete de Libras ocorre mediante a observação do posicionamento ocupado por esse sujeito na sociedade e às suas condições culturais e materiais de formação (BOURDIEU 1975). Como abordagem teórico-metodológica, utiliza a pesquisa qualitativa para investigação de um campo que envolve as ciências humanas e sociais (LOWY, 1985; GIL, 1999). A metodologia utilizada para construção dos dados é um questionário composto por quarenta e uma questões e um espaço para comentário disponível em um site durante cinco meses, acessado por cento e trinta e um visitantes, dentre eles, os vinte e nove intérpretes participantes desta pesquisa. A análise dos dados considera três eixos temáticos: trajetórias de formação, condições de trabalho e realidade socioeconômica. Os resultados revelam que a formação desses intérpretes ocorreu a partir de elementos apreendidos da interação com os valores da comunidade surda, apropriação do saber científico e relações de trabalho.

    ×
  • 2009 • ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v.11, n.1, p.234-254
    Educação bilíngue para surdos: um olhar a partir da trajetória de intérpretes de Língua Brasileira de Sinais
    Resumo do Artigo Científico

    ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v.11, n.1, p.234-254  •  por Diléia Aparecida Martins
    Educação bilíngue para surdos: um olhar a partir da trajetória de intérpretes de Língua Brasileira de Sinais

    O presente trabalho reflete à educação bilíngüe para estudantes surdos na educação superior, especialmente a trajetória de formação do intérprete de Língua Brasileira de Sinais. Recupera o histórico da educação da pessoa surda e apresenta os dados de pesquisa realizada com intérpretes de Libras que atuam no ensino superior, referentes à formação desses profissionais. A partir da resposta dos sujeitos observa-se, que os profissionais amparam-se em conhecimentos apropriados no decorrer de sua formação humana, a partir de sua disposição social e de seu acesso às produções simbólicas.

    ×
  • 2006 • Revista Espaço: informativo técnico-científico do INES. nº 25, jan/jun, p.161-168
    Formação de professores surdos no curso de Pedagogia: análise da prática docente e do intérprete de Língua Brasileira de Sinais
    Resumo do Artigo Científico

    Revista Espaço: informativo técnico-científico do INES. nº 25, jan/jun, p.161-168  •  por Diléia Aparecida Martins
    Formação de professores surdos no curso de Pedagogia: análise da prática docente e do intérprete de Língua Brasileira de Sinais

    O presente trabalho reflete a prática em educação inclusiva para formação de professores surdos no curso de Pedagogia. Apresenta uma reflexão em torno da experiência vivenciada na Faculdade de Educação da PUC-Campinas, enfatizando os efeitos da modalidade visual-espacial da Língua de Sinais Brasileira – LIBRAS e oral-auditiva da Língua Portuguesa, a prática do docente e do intérprete de LIBRAS bem como a formatação curricular, enfatizando possibilidades para a superação de barreiras de acesso ao currículo acadêmico no contexto bilíngüe vivenciado por surdos usuários de Língua de Sinais Brasileira e da Língua Portuguesa.

    ×
  • Como co-autor(a)

    Sem artigos científicos inseridos.

    Livros de Diléia Aparecida Martins

    Outros Especialistas
  • Nídia Limeira de Sá
    Nídia Limeira de Sá
    3 artigos científicos
  • Maria do Céu Gomes
    Maria do Céu Gomes
    8 artigos científicos
  • Alessandra Franzen Klein
    Alessandra Franzen Klein
    2 artigos científicos
  • Grauben José Alves de Assis
    Grauben José Alves de Assis
    1 artigos científicos
  • Cláudio Mourão
    Cláudio Mourão
    5 artigos científicos
  • Cristina Broglia Feitosa de Lacerda
    Cristina Broglia Feitosa de Lacerda
    21 artigos científicos
  • Rafaela Cota Silva
    Rafaela Cota Silva
    2 artigos científicos
  • Terezinha Nunes
    Terezinha Nunes
    5 artigos científicos
  • Maria Janete Bastos
    Maria Janete Bastos
    3 artigos científicos
  • Shirley Vilhalva
    Shirley Vilhalva
    3 artigos científicos
  •