porsinal  
DestaquesListagemReportagens
Aquele DJ surdo: A histria de Robbie Wilde
por porsinal     
0 coment�rio(s)
Quarta-feira, 27 de Novembro de 2013 às 17:31:08
Que a tecnologia est a mudar as nossas vidas j se sabe. Mas h casos em que ela parece fazer o impossvel: Robbie Wilde um DJ surdo, que h 10 anos vem praticando o ofcio e que, atravs da leitura labial, da vibrao da msica e da medio das performances nos seus aparelhos, conseguiu realmente tornar-se especial.

O DJ Robbie Wilde perdeu a audição com 7 anos, devido a uma infeção nos ouvidos, ficando com apenas 20% de capacidade no ouvido esquerdo. Do direito não consegue compreender qualquer som. Mas isso não o impediu de realizar seu sonho. Hoje ele vê e sente a música, ao invés de a ouvir.

Por isso, quando fez 18 anos, o seu pai, dono de um restaurante, disponibilizou o espaço para Robbie tocar. O lugar estava cheio e chamou tanto a atenção da população local que ele acabou por ser convidado para outras festas. Os sets de Robbie percorrem uma grande variedade de estilos, mas a década de 90 está sempre presente: “são músicas que tenho na cabeça da minha infância, antes de perder a audição”.

Robbie utiliza um dispositivo parecido com uma mochila, que envia apenas frequências graves para as suas costas, fazendo com que ele sinta a vibração e afastando todos os outros ruídos. “É como um fone de ouvido para a comunidade surda”. No momento de misturar e tocar, Robbie usa um programa, Serrato, que mostra as formas de onda, as imagens do som, com cores. Assim ele consegue separar os vocais, que ele não ouve, do resto. É como um substituto da audição, que Robbie usa para ser mais criativo.

A tecnologia definitivamente ajuda-ese a ficar mais atualizado, com minhas técnicas, mas eu nunca a utilizo como uma ‘fraude’, para substituir os métodos de DJing real”, conclui Robbie.

V�deo

Coment�rios

Para comentar esta reportagem tem de ser um utilizador registado

    Não existem comentários.

× Outras Reportagens

Terça-feira, 06 de Abril de 2021 às 01:46:17
Surdos sentem-se abandonados. A sociedade no os v como pessoas teis