porsinal  
DestaquesListagemReportagens
Surdo, negro e da periferia, brasileiro faz poesia em Libras
por porsinal     
0 comentário(s)
Quinta-feira, 09 de Janeiro de 2020 às 13:09:09
O paulistano Edvaldo Santos, de 33 anos quebra as barreiras do preconceito e da comunicação com a sua poesia em Libras.

Conhecido como Edinho da Poesia, ele é da Cidade Ademar, na periferia da zona sul de São Paulo, mas vive no bairro do Jabaquara com outros três irmãos ouvintes.

Ele é educador e encontrou na poesia uma forma de se comunicar com o mundo. Uma forma de expressar na arte as vivências como negro e surdo numa sociedade ainda praticamente analfabeta em Libras.

A arte mostrou-me o caminho. Não falo só sobre mim, mas também dos outros surdos, é o que eu vejo na sociedade. O meu poema ‘Mudinho’ é um exemplo disso, os surdos veem e identificam-se. Estou a criar a minha arte também para falar da comunidade surda, para que eles vejam, para que eles [ouvintes] entendam”, disse à Agência Mural com apoio do intérprete André Rosa.

No ano passado, Edinho chegou a final do Slam BR, a principal competição de poesia falada do Brasil, com a parceira do compositor James Bantu.

Eu gosto do slam porque é um espaço periférico, afasta-se da poética elitista. Estamos a falar sobre temas que impactam, relevantes”, afirma.

Edinho afirma que a sua presença em espaços culturais torna-se um ato político. “Entre ser negro e ser surdo, eu acho que o principal ponto é ser negro”, diz.

História

Aos 13 anos, ele começou a sair sozinho e conhecer grupos de surdos. “Eu ia em vários passeios nas quebradas, trocava ideias, falávamos sobre as nossas vidas, dificuldades e criávamos estratégias. Nós aconselhamos uns aos outros”, disse.

Edinho estudou da pré-escola até os 15 anos numa escola especializada no ensino de pessoas surdas, por meio de bolsa, no Ibirapuera, a cerca de 12 quilômetros de casa. As atividades culturais desenvolvidas pela escola em convênio ao MAM (Museu de Arte Moderna) de São Paulo, despertaram o primeiro interesse pela arte. Ele pediu a uma ex-professora para o ajudar a trabalhar no MAM como educador, e a partir disso nunca mais parou de fazer arte.

Itaú Cultural

Edinho apresenta-se no terceiro fim de semana de cada mês, no Itaú Cultural, na Avenida Paulista, em São Paulo. “Estou de férias agora, volto depois do mês de janeiro”, disse Edinho.

Nas apresentações ele promove vivências para sensibilizar o público em relação à língua e à cultura surdas. “Nesses encontros, o poeta e educador apresenta performances que, por meio da poesia, unem a arte à Língua Brasileira de Sinais – Olhares Poéticos em Libras [com interpretação em Libras]”, convida o artista no perfil no Instagram.

Trecho da poesia Mudinho:

Quando eu era pequeno/ diziam: ‘mudinho, mudinho, mudinho’/
Eu já homem feito e barbado/ e eles: ‘mudinho, mudinho, mudinho/
Me casei, tive filho/ e eles: ‘mudinho, mudinho, mudinho/
Eu envelheci, me cansei, me curvei/ e eles: ‘mudinho, mudinho, mudinho/
Mudinho? Não, meu nome é Edinho, porra”.

 
 
 
View this post on Instagram

A post shared by Edinho poesia (@edinhopoesia) onOct 11, 2019 at 9:43am PDT

Vídeo

Não existe video associado.

Comentários

Para comentar esta reportagem tem de ser um utilizador registado

    Não existem comentários.

× Outras Reportagens

Quinta-feira, 18 de Junho de 2020 às 18:26:19
Acessibilidade à cultura: o caso da comunidade S/surda