porsinal  
DestaquesListagemReportagens
Surdos não são mudos: as palavras de Maria são um manual contra a ignorância
por porsinal     
0 comentário(s)
Sexta-feira, 31 de Agosto de 2018 às 03:39:41
Quando a intérprete de Língua Gestual Portuguesa (LGP) da escola de Maria Oliveira entrou de licença de maternidade, não houve ninguém que a substituísse. Depois de uma reclamação, o caso acabou por se resolver, mas o episódio, ocorrido neste ano lectivo, o 12.º para Maria, é um dos casos de discriminação que a transmontana de 18 anos recorda.

Foi por esse e outros exemplos — a falta de intérpretes no Serviço Nacional de Saúde é possivelmente o mais gritante — que Maria decidiu que devia fazer algo.

Num vídeo com quase oito minutos, confronta os preconceitos e ignorância dos ouvintes em relação à comunidade surda numa tentativa de tornar as mentalidades "mais abertas". E uma das primeiras lições é repetir que os surdos não são mudos, como é costume ouvir-se dizer. "Vocês querem que eu grite?", desafia a estudante, para logo de seguida provar que tem voz: "O meu nome é Maria", ouve-se.

A primeira língua dela foi a LGP, mas a partir dos três anos aprendeu também português. "Sou bilingue", diz, deixando mais uma informação que muitos parecem ainda não ter apreendido: a LGP é uma língua, não uma linguagem. Maria Oliveira tem um implante coclear.

Na escola, chegou a tocar flauta e violino. Já fez ballet. Recentemente, completou estágios na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego e no Museu do Douro. Fez provas de aptidão profissional com o tema "acessibilidade para o mundo surdo" e por estes dias espera os resultados das colocações na universidade: a sua primeira opção é a licenciatura em Comunicação e Design Multimédia em Coimbra.

Já muito foi feito para melhorar as acessibilidades para surdos, diz Maria Oliveira. Já há interpretes LGP nas escolas, universidades, museus e concertos, já há músicas traduzidas no YouTube, exemplifica. Mas o caminho por percorrer é ainda longo — nas escolas, continua a ensinar-se inglês, francês, espanhol e outras línguas.

E se LGP também fosse parte do currículo de todos e fosse a "segunda língua oficial do país"? Não sairiam todos a ganhar? "Muitas pessoas dizem que não pareço surda", conta Maria num vídeo que fez sozinha: "Precisa ter cara de que pareço surda?", questiona. Há barreiras de comunicação, sim. Há dificuldades extra. Mas não são pessoas diferentes de todas as outras. E há coisas que todos podemos e devemos saber. Se a aposta na LGP e o esforço dos ouvintes aumentar, acredita, já muito muda. O vídeo de Maria, qual manual de combate à ignorância e preconceito, pode ser um bom começo.

Fonte: Público

Vídeo

Comentários

Para comentar esta reportagem tem de ser um utilizador registado

    Não existem comentários.