porsinal  
DestaquesListagemReportagens
Universidade Gallaudet: Ampliando os horizontes para os surdos
por porsinal     
0 comentário(s)
Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2014 às 01:50:59
A Universidade Gallaudet é a única comunidade de aprendizagem composta por 1.100 alunos de graduação e 400 estudantes de pós-graduação que são surdos ou têm deficiência auditiva. É a única instituição de ensino superior do mundo onde todos os programas e serviços são especialmente elaborados para alunos surdos ou com deficiência auditiva. Todos os cursos são ministrados na língua americana de sinais e em inglês.

A missão da Universidade Gallaudet é manter “uma orgulhosa tradição de pesquisa e atividades escolares e preparar os seus alunos para oportunidades de carreira num mundo altamente competitivo, tecnológico e que muda rapidamente”, de acordo com a declaração da missão da escola. A Gallaudet também visa melhorar a vitalidade intelectual, social, linguística e económica das pessoas surdas, local e internacionalmente, para preservar a história dessas pessoas e “promover o reconhecimento de que as pessoas surdas e as suas linguas gestuais são recursos vastos, com contribuições significativas à dimensão cognitiva, criativa e cultural da diversidade humana”.

Treinando os profissionais surdos

Localizada em Washington, nos Estados Unidos da América, a Gallaudet oferece cursos de bacharelado em Artes e em Ciências em mais de 40 especializações. Os seus programas de graduação conferem graus de mestre em áreas como administração e desenvolvimento internacional, e doutoramento em psicologia clínica e linguística, entre outras.

A maioria dos programas de graduação da Gallaudet é elaborada para treinar os estudantes em serviços profissionais para pessoas surdas e com deficiência auditiva. Por exemplo, o programa da Gallaudet para estudos essenciais à educação de alunos surdos prepara os seus alunos de pós-graduação para “serem agentes de mudança nas suas funções como profissionais, administradores, educadores e investigadores através de um exame crítico nos temas educacionais, sociais e políticos”. No Departamento de Ciências da Audição, Fala e Linguagem, os alunos aprendem sobre a surdez desde uma perspectiva biológica, social e cultural e são preparados para posições académicas e de pesquisa nas universidades e em outras unidades de pesquisa, com cursos em estatísticas, métodos de pesquisa e curso superior em pedagogia.

O Centro de Educação para Surdos Laurent Clerc, da Gallaudet, inclui a Escola de Ensino Fundamental de Demonstração Kendall com programas para crianças pequenas e a Escola Secundária Modelo para Surdos, atendendo a alunos até a idade de ir para a faculdade.

A universidade possui equipas de futebol, basquetebol, futebol americano, entre outros desportos. A equipa de voleibol feminino contribuiu com 10 jogadoras para a Equipa de Voleibol Nacional para Mulheres Surdas dos Estados Unidos que competiu nos Campeonatos Abertos Nacionais de Voleibol em Salt Lake City em 2012.

Uma história de orgulho

A Gallaudet é uma instituição de ensino privada independente, sem fins lucrativos. Em 1857, o Congresso dos Estados Unidos estabeleceu a Instituição Columbia para a educação de pessoas surdas, mudas e cegas. Amos Kendall, ex-diretor geral dos correios sob os presidentes Andrew Jackson e Martin Van Buren, doou terras da sua propriedade em Washington para o campus da escola. O seu primeiro presidente foi Edward Miner Gallaudet, cujo pai, Thomas Hopkins Gallaudet foi pioneiro na educação de pessoas surdas. Em 1864, o Congresso autorizou a escola a conferir diplomas académicos. O projeto de lei foi sancionado pelo presidente Abraham Lincoln no auge da Guerra Civil. O presidente Ulysses S. Grant assinou os diplomas concedidos à primeira classe de formandos com três alunos e, desde então, todos os diplomas têm sido assinados pelo presidente dos EUA.

O Congresso significativamente confirmou a licença da Gallaudet em 1954, autorizando verbas federais permanentes para a escola. Em 1986, o presidente Ronald Reagan assinou a Lei de Educação para Surdos em 1986, que reafirmou o compromisso dos EUA em tornar as oportunidades educacionais disponíveis para as pessoas surdas e reestabeleceu o Gallaudet College como Universidade Gallaudet. As verbas federais anuais da Gallaudet são supervisionadas pelo Departamento de Educação.

Os alunos da Gallaudet têm orgulho pelo seu recorde em defender ativamente os interesses das pessoas surdas. Uma causa marcante foi assegurar a indicação de um presidente surdo para a universidade. Em 1988, quando a universidade anunciou que tinha escolhido uma pessoa não surda como seu sétimo presidente em detrimento de dois finalistas surdos, os alunos da Gallaudet, com o apoio dos ex-alunos, funcionários e o corpo docente, fecharam a universidade por diversos dias. Os manifestantes exigiam que o novo presidente e o presidente do Conselho de Administração renunciassem e que um presidente surdo fosse indicado. O protesto Presidente Surdo Agora foi bem-sucedido e I. King Jordan foi nomeado o oitavo – e primeiro presidente surdo – da Gallaudet. Jordan ficou no cargo até 2006.

Em 2014 a Universidade Gallaudet comemorará seu 150º aniversário da lei assinada pelo presidente Lincoln autorizando a escola a conferir diplomas universitários para os alunos surdos. Como o tema “Celebrando os 150 anos de uma Liderança Visionária”, a comemoração destacará o papel pioneiro da Gallaudet no avanço das oportunidades e conquistas dos surdos e dos deficientes auditivos.

Um ambiente de diversidade

Krishneer Sen foi para a Gallaudet de Suva, ilhas Fiji. Ele estuda para obter o seu diploma de bacharel em tecnologia da informação. É um aluno sênior e vive com amigos fora do campus.

Em Fiji, Sen pesquisou universidades e descobriu que a Gallaudet oferecia programas educacionais únicos para pessoas surdas. “Todos os instrutores aqui usam a língua gestual e temos acesso direto e comunicação direta e esse é um aspecto muito, muito importante. Um dos meus professores é uma mulher surda com Ph.D em ciência da computação”.

Além do ambiente de aprendizagem, Sen gosta da oportunidade de conhecer pessoas que ele, de outro modo, não teria oportunidade de conhecer. “Temos uma população muito diversa aqui e eu não estava acostumado a isso. Temos uma comunidade de gays e lésbicas, que é muito forte aqui, negros, latinos – todos esses grupos diversos. Eu gosto disso. Isso também inclui pessoas que ouvem, pessoas com deficiência auditiva bem como os surdos”.

Sen conseguiu frequentar a Gallaudet através de uma Bolsa de Estudos da Liderança para Pessoas Surdas. Patrocinada pela Fundação Nippon no Japão, as bolsas financiam os alunos da Gallaudet que “demonstram capacidade de se tornar líderes internacionais e fazer contribuições significativas aos seus países e possivelmente ao mundo”.

O objetivo do programa – e o meu objetivo pessoal”, disse Sen “é voltar para Fiji para montar um programa que beneficie a comunidade de surdos”.

Fonte: Departamento de Estado dos EUA

Vídeo

Não existe video associado.

Comentários

Para comentar esta reportagem tem de ser um utilizador registado

    Não existem comentários.

× Outras Reportagens

Quinta-feira, 29 de Novembro de 2018 às 11:54:11
Charles Michel de l'Epée, o pai da educação pública para surdos