porsinal  
ArtigosArtigos de Opinião
Amílcar José Morais
Amílcar José Morais
Professor de Língua Gestual Portuguesa
“Cultura” – Comunidade Surda: Etnicidade ou Variável?
Inserido Sexta-feira, 19 de Agosto de 2016
Autor: Amílcar José Morais
0
Gostaria de refletir e abrir um espaço para discussão sobre o seguinte: O conceito de etnicidade integra-se na cultura da Comunidade Surda ou não?

É uma característica comum do grupo das pessoas que se diferenciam de outro grupo, faz parte da língua e da cultura, e mais a noção de uma origem comum (Riesman, 2001) mas que não especifica a raça, a religião, entre outros tipos.

O estudo da cultura era a base do campo da investigação da antropologia cultural sobre a etnicidade, que se rotulava de “tribalismo”. A perspetiva desta ideia acompanhava o processo das duas entidades nomeadamente a “sociedade” e a “cultura”, mas o conceito não compara a cultural social que é um campo mais sobre partilha e que integra várias áreas da teoria sociológica clássica.

Questionar a forma mais correta, como a cultura pode ser integrada e/ou partilha na variável (Barth, 2003), por exemplo, as comunidades regionais, locais e dos arredores demonstram as regras criadas pelo próprio grupo, criando as fronteiras naturais que são possíveis de partilhar em mínimos de princípios avaliativos, após a avaliação para manter a interação. Afirmando que a partilha avaliativa mantém o acordo da mesma língua.

A relação das interações dentro de um grupo (depende do membro de uma “cultura partilhada” em submissão) entre os membros de diferentes coletividades com a mesma língua, será talvez mais fácil e acessível, mas é rara.

A cultura de “variável” não mostra a compaixão da comunidade antropóloga, no entanto, a Comunidade Surda e um grupo pertencente a estes graus. Demonstra-se o ponto de escassez para os membros da Comunidade Surda. Então, devemos investigar os rumos, quer da teoria da cultura quer do estudo da etnicidade, que têm sido paralelos. Neste momento, a política transforma-se como o estudo da prova da existência de uma cultura devido à língua.

O parágrafo anterior afirma que os trabalhos serão interrompidos com esta visão reabilitacional ligada a ideologias nacionais e níveis de política, sendo que a etnicidade desaparecerá. Esta ideologia colocou estes termos da visão da política, quer dizer que o grupo social específico que se constrói dos conceitos errados entre “cultura” e “origem”.

O trabalho articulado entre as políticas de cultura leva decididamente ao fim dos “guetos” das fronteiras naturais, definindo a preocupação da comunidade antropóloga. A observação do próprio autor faz questionar: Qual a relação da etnicidade com as “variáveis”? Outra questão levantada é sobre a relação entre uma língua e uma cultura. Clarificar estas relações entre estes conceitos integram-se a implicar o conceito clarificado sobre cultura, compreendendo-se melhor a razão pela qual a Comunidade Surda, há tanto tempo, quer o movimento associativo como membro ativista para integrar a “cultura partilhada” com o mundo em geral e justifica a situação problemática da Comunidade Surda em geral. Demonstra-se que há conflito entre a Comunidade e a Sociedade.

Qual é a reflexão sobre a razão da cultura da Comunidade e a cultura partilhada para refletir sobre a etnicidade? Procura-se refletir e homogeneizar a cultura? Estas questões não foram levantadas ou seguiram a visão reabilitacional que “compra” o território da Comunidade Surda sem discussão. Está a faltar comprovar o que encontravam nesta reflexão, nomeadamente na vincada separação entre cultura e etnicidade ou variáveis.

Conclui-se, neste momento, que nenhum dos investigadores aborda a etnicidade da Comunidade Surda de forma explícita nas discussões sobre o alargamento justificável contra a visão tradicional e patológica, visto como homogeneização cultural, quando aborda o “processo de homogeneização” que dá a formação de Estado, essencialmente sobre a forma do Governo/Estado reconhecer a língua da Comunidade Surda como homogeneização cultural relacionada pela etnicidade ou pela etnicidade cultural e a Língua Gestual Portuguesa como língua da etnicidade cultural.

A discussão está em aberta para reflectirmos sobre a perspetiva ou teoria empírica para representar a teoria mais clarificada no âmbito da Comunidade Surda.

Comentários

Para comentar este artigo de opinião tem de ser um utilizador registado

    Não existem comentários.

Outros Artigos deste Autor

Não há mais artigos de opinião deste autor.