porsinal  
ArtigosArtigos de Opinião
Rafaela Cota Silva
Rafaela Cota Silva
Intérprete de Língua Gestual Portuguesa
Somos só três: professor, aluna surda e intérprete!
Inserido Sábado, 31 de Maio de 2014
Autor: Rafaela Cota Silva
0
Este texto retrata uma situação vivenciada e experienciada na primeira pessoa enquanto intérprete de língua gestual num contexto muito particular e pouco habitual no ensino superior: O ensino individualizado durante aulas de orientação de estágio.

Abordar a questão da educação de um aluno surdo a nível superior não é tarefa fácil, assim como, também não o é, o processo educacional em si. Porém, se se pensar no idealismo de uma escola para todos há que recordar que estes alunos têm exactamente o mesmo direito de progredirem nos seus estudos. Só deste modo se poderá falar de igualdade de acesso e oportunidades.

No entanto, poucos são os alunos surdos que chegam a um nível de ensino superior, e os que o conseguem, trazem consigo algumas lacunas, sendo as mais notáveis a dificuldade na escrita do português e na capacidade do pensamento abstracto. Além disto, sucede por vezes o facto de o aluno surdo sentir dificuldades de integração num meio ouvinte onde não compreende o que acontece à sua volta, nem é compreendido pelos que o rodeiam.

Ora, pondo de parte a teoria e reportando-me à nossa situação em concreto: aulas individuais de seminário de orientação de estágio curricular de uma aluna surda a frequentar a Licenciatura em Ensino Básico – variante Educação Visual e Tecnológica. Neste sentido, há que salientar que o contexto era, de facto, especial, uma vez que o ensino era individualizado, estando presente apenas três elementos: o professor, a aluna surda, e a intérprete de língua gestual. Neste cenário, as barreiras comunicacionais que poderiam à partida existir estariam de todo solucionadas o que, seria por si só, um ponto de partida para que todo o trabalho pudesse ser desenvolvido de forma satisfatória e produtiva. De facto, foi o que sucedeu. Desde o início da Unidade Curricular que o professor se mostrou sensível à problemática da pessoa surda, aceitando as características individuais da aluna em questão, compreendendo as condições da sua pessoa e promovendo estratégias de ensino que apelassem à participação activa da aluna.

Tendo esta aluna uma dificuldade de raciocinar sobre o abstracto, houve, desde sempre, a preocupação do professor de, aquando da introdução de nova temática e durante o desenvolvimento desta, mostrar exemplos práticos do tipo de trabalho que poderia ser produzido. Ora, para uma aluna que não ouve, mas que, em contrapartida, possui uma capacidade visuo-espacial bastante apurada, e estando nós dentro de um contexto orientado para o ensino das Artes Visuais, penso que desta forma a aluna conseguia integrar e absorver melhor a informação que pretendia ser passada. A preocupação por parte do professor para que as necessidades da aluna fossem satisfeitas, desenvolve na mesma um sentimento de bem-estar. Por sua vez, sendo a aluna capaz de assimilar e reter o que lhe é transmitido, conseguindo estabelecer a lógica entre os vários processos em que se desenrola a aula, adquire mais autonomia na realização das actividades.

Assim, tal como se depreende do parágrafo anterior, quando um professor está perante um aluno surdo, deve recorrer muito a exemplos reais, adaptar os materiais ao tipo de aluno a que se destinam, adoptar métodos e estratégias que tentem desenvolver o potencial do aluno. Por vezes, a interpretação não era suficiente para proporcionar a compreensão total, havendo a necessidade de se recorrer ao desenho ou à explicação escrita – esta preocupação em incentivar e estimular a aluna para que compreenda, ajuda-a a ir para a frente com o trabalho, a acreditar em si própria, a ser capaz de fazer e a ter noção das suas capacidades.

É do senso-comum que o desenvolvimento de um aluno depende da sua personalidade, da sua interacção social, da sua actividade escolar e do grau de exigência desta, sendo também muito importante o grau de comunicação com quem o rodeia. Tal, só pode suceder em condições ideias com a presença de um elemento fundamental para estabelecer a ponte de comunicação entre uma pessoa ouvinte e uma pessoa surda, o intérprete de língua gestual. Com a utilização deste na sala de aula o ensino pode ser feito sem qualquer barreira, sentindo-se a aluna (neste caso particular, e os aluno em geral) mais seguros. É de facto, um aspecto fulcral, que o aluno surdo possa ter acesso aos conteúdos programáticos através da sua língua materna – a língua gestual. Só desta forma poderá ter rendimento no trabalho que se dispõe a fazer.

No que toca aos intérpretes, estes apenas conseguirão desempenhar a sua função com total clareza e eficácia quando se verifica uma ajuda recíproca entre este e o docente da disciplina. É fundamental uma partilha de objectivos que concorram para um fim comum – a realização plena da aula e o sucesso escolar do aluno. Recorre-se deste modo a uma resposta multifacetada que visa satisfazer a necessidade do estudante.

Comentários

Para comentar este artigo de opinião tem de ser um utilizador registado

    Não existem comentários.

Outros Artigos deste Autor

Não há mais artigos de opinião deste autor.